sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

 A posse

Agora é o fascínio do branco,
da alquimia da posse,
da refrega;
abraço a sinceridade,
os despojos da esperança;
fiz-me à vela,
entre rochedos de espumas
[em buliçosa ruptura];
estou mais longe de mim
do que antes das claridades
das madrugadas rompantes.
Até quando estarás afastada do meu tacto,
do meu alento?
Jaime A.
(fonte da imagem:
http://www.domontgallery.com/,
poema publicado originalmente
no meu blogue sopro divino)

2 comentários:

Naty e Carlos disse...

Milagre é tudo aquilo que enche o nosso coração de paz.
Paulo Coelho
Bjs com carinho Naty

Vieira Calado disse...

Olá, como está?

Olhe, acho muito belo o poema!

Um abraço