quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Amo-te


Amo-te,

Amo-te mais do que és capaz de imaginar,

Amo-te mais do que sou capaz de explicar,

Amo-te mais do que é possível medir,

Amo-te tanto que é impossível viver sem ti.


Amo-te,

Amo-te acima de tudo o mais,

Amo-te acima de mim mesmo,

Amo-te acima dos meus sonhos e ideais,

Amo-te tanto que sem ti, de nada sou capaz.


Amo-te,

Amo-te com o prazer de te amar,

Amo-te sem que este amor venha em um escravo me tornar,

Amo-te livremente, sem medos, sem receios, sem ciúmes.

Amo-te tanto, mas um amor livre e desinibido.


Amo-te,

Amo-te como quem conhece-te,

Amo-te tanto que mapeei todo este corpo teu,

Amo-te tanto como se meu sangue estivesse misturado ao teu,

Amo-te tanto que nos tornamos um quando teu amor corresponde ao meu.


Amo-te,

Amo-te pelo simples prazer de amar,

Amo-te pela simples satisfação de contigo estar,

Amo-te com a certeza de quem nunca te verá partir,

Amo-te na feliz realidade de que sem ti para lado algum me interessa ir.


Poesia de Luis A R Branco 

Twitter: @LuisARBranco 

Fotografias de Luis A R Branco (Cabo da Roca, Sintra, Portugal)

Um comentário:

Vieira Calado disse...

Pois, meu caro...
Tudo quanto se diz, diz de como ninguém tem palavras para dizer o amor!
Um forte abraço!